Notícias

1

Coleção “Nordestino, Sim Senhor” exalta cultura do Sertão. Conheça!

Como já dizia Luiz Gonzaga, “não há luar como esse do Sertão”. As belezas do semiárido nordestino e a garra do povo sertanejo foram os pontos de partida para a criação da coleção “Nordestino, Sim Senhor”, da marca Kabra Valente. Agora, as peças estão sendo vendidas por todo o Brasil, por meio de uma parceria com as Lojas Leader. E o melhor: parte da renda será revertida para o Instituto Água Viva, que atua diretamente no Sertão, mudando a vida de milhares de sertanejos. Entenda mais sobre a parceria!

Nordestino, Sim Senhor!

“Deixe de ser besta”, “Não me aperreie” e “Se avexe não”: essas são algumas das frases que estampam as peças da coleção “Nordestino, Sim Senhor”, que começou sendo vendida em feiras e de porta em porta, pelo criador da marca e filho de nordestinos, Geraldo Oliveira, e agora, está presente em 65 lojas espalhadas pelo Brasil, nos estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco e Rio Grande do Norte.

A parceria da marca Kabra Valente com as Lojas Leader ajuda a mudar a realidade do Sertão: parte da renda é revertida para projetos sociais desenvolvidos pelo Instituto Água Viva, que levam esperança e oportunidades ao povo sertanejo. É o caso das Escolas de Esporte e dos projetos de Saúde, que leva atendimentos médicos e odontológicos ao Sertão; Educação Complementar e Geração de Renda.

Conheça algumas das peças da coleção “Nordestino, Sim Senhor”:

Saiba mais sobre a parceria:

Conheça o Instituto Água Viva!

Há várias formas de ajudar o Instituto Água Viva a levar mais oportunidades para o Sertão: conheça mais sobre nossos projetos sociais e apadrinhe um deles! Assim, você irá se tornar uma gota viva e mudará a realidade de inúmeras famílias sertanejas. Contamos com você!

Conheça a grife Kabra Valente – Nordestino Sim, Senhor

Facebook e Instagram: @kabravalente

0

Cine Sertão: projeto do IAV leva a 7ª arte aos sertanejos!

Sair de casa para ir ao cinema e assistir um filme é uma das atividades de lazer mais comuns praticadas pelas pessoas de todo o mundo. Além de ser uma forma de entretenimento acessível, é capaz de proporcionar momentos únicos e inesquecíveis, principalmente se forem compartilhados ao lado de alguém especial.

Mas, você já parou para pensar que uma boa parte da população brasileira nunca teve a oportunidade de estar em uma sala de cinema? O projeto Cine Sertão, desenvolvido pelo Instituto Água Viva, oferece a essas pessoas a chance de contemplarem o cinema, conhecido como a 7ª arte!

Chegada do cinema no Sertão nordestino

O projeto social Cine Sertão, iniciativa do IAV, já contemplou mais de 4 mil moradores de comunidades rurais completamente afastadas, localizadas no Sertão nordestino. Como muitos não sabem nem o que é um cinema, essa iniciativa tem como objetivo principal levar a arte e cultura a essas pessoas, que nunca sequer tiveram a chance de sair do local onde vivem.

Hoje, o projeto percorre 10 comunidades por mês, com público médio de 200 pessoas por exibição. “Quando o cinema chega na comunidade a notícia espalha rapidamente e logo muitas pessoas se aglomeram para acompanhar a montagem. À noite, a lotação do cinema é garantida. É gratificante ver o brilho nos olhos das crianças e até mesmo dos idosos ao verem a tela do cinema. Eu mesmo me emociono muitas vezes, é lindo estar ali com aquelas pessoas”, conta Leandro Luz, um dos coordenadores do projeto.

Como funciona o Cine Sertão?

O Cine Sertão conta com uma tela de 3×5 metros, estilo cine anos 70 ao ar livre, possui um som potente e até 300 lugares por exibição. Os filmes ou desenhos escolhidos são, na maioria das vezes, histórias bíblicas, para que todos possam conhecer mais da Palavra de Deus, de forma simples e atual.

Abaixo separamos duas fotos para que você consiga conferir um pouco de como acontecem as sessões!

1

Sertão nordestino: conheça a realidade e saiba como colaborar!

Ter energia elétrica e saneamento básico em casa, fazer três refeições por dia e beber água tratada são alguns dos privilégios que você possui e nem se dá conta que existem pessoas, não muito longe de onde vive, que não tem o mesmo. O Sertão nordestino é uma região de extrema pobreza e vulnerabilidade social. Pensando nisso, o Instituto Água Viva escolheu transformá-la, ajudando, por meio de projetos sociais, na luta dos milhares de sertanejos. Continue lendo o post e conheça melhor o trabalho do IAV!

Precariedade do Sertão

O Sertão nordestino conta com um dos piores índices do IDH do país: uma média de 0,550 e com renda per capta abaixo de ¼ do salário mínimo. Em muitas cidades e lugarejos, as famílias vivem abaixo da linha da pobreza. O povo sertanejovive a pior crise hídrica dos últimos 70 anos e, como não possuem água tratada, grande parte das comunidades consome a da chuva.

Como o IAV contribui com o Sertão?

O Instituto Água Viva é uma organização social sem fins lucrativos que tem como principal missão apoiar as famílias sertanejas, principalmente nos estados da Bahia, Piauí e Pernambuco, a se desenvolverem integralmente. Para isso, proporciona acesso à informação, além de trabalhar no desenvolvimento social, econômico e educacional da região.

Atuamos em 4 pilares: saúde, esporte, educação e geração de renda. Com esses projetos, mais de 2.300 crianças em situações de risco social são atendidas. São oferecidas para elas aulas de balé, música, informática e alfabetização. Já os adultos têm a oportunidade de participar de projetos de Geração de Renda, como fábricas de bonés, camisas, violão, hidroponia, piscicultura, plantação de frutas.

Conheça mais sobre os projetos sociais:

  • 1° pilar: Saúde

O IAV realiza vários atendimentos médicos e odontológicos por meio de unidades móveis. São veículos equipados com os instrumentos necessários, que oferecem atendimento e tratamento gratuito aos sertanejos.

  • 2° pilar: Esportes

Para continuar promovendo o desenvolvimento de crianças e adolescentes, o IAV conta com escolinhas de futebol que promovem a importância dos esportes para os pequenos sertanejos em risco social. Eles são os nossos futuros grandes atletas.

  • 3° pilar: Educação

Com intuito de ocupar o tempo das crianças do Sertão, mantendo-as longe dos riscos sociais, o Instituto Água Viva oferece oficinas de música, balé, informática e alfabetização.

  • 4° pilar: Geração de Renda

Como o foco do IAV é proporcionar melhores condições de vida para as famílias sertanejas, o projeto de geração de renda oferece aos adultos toda a estrutura necessária para produzir brinquedos, camisas, bonés. Além da hidroponia, horta comunitária e fábrica de violão.

Sua participação é essencial para continuarmos ajudando o Sertão! Conheça ainda mais o IAV e seja uma Gota Viva!

1

Sem água e energia, população de Junco (BA) enfrenta dificuldades

A população do povoado de Junco, interior de Casa Nova, na Bahia, vem enfrentando muitas dificuldades em seu dia a dia: a produção de farinha de mandioca, que era a principal fonte de renda da localidade, foi interrompida pela falta de água. A estiagem afeta a cidade há, pelo menos, 10 anos, fazendo com que o acesso à água seja prejudicado.

O engenheiro e coordenador de projetos e planejamento do Instituto Água Viva, Rafael Correia Gonçalves, conta que foi até a localidade em abril deste ano e constatou os principais problemas enfrentados pelo povo sertanejo. “Fizemos uma visita em campo e coletamos informações com 28 famílias da região. Pude perceber que o povo de Junco gosta de morar lá e não tem a pretensão de morar fora. No entanto, eles têm enfrentado muitas dificuldades por conta da falta de água”, explica.

A solução, segundo o engenheiro, seria a instalação de uma adutora na cidade. “A comunidade de Junco fica às margens da represa de Sobradinho, então uma adutora seria uma saída viável para melhorar a qualidade de vida do povo sertanejo e uma forma de possibilitar que eles voltem a trabalhar com a produção da farinha de mandioca. É o que eles sabem e amam fazer: plantar, colher e produzir”, completa Rafael Correia, que finalizará um relatório com um diagnóstico sobre o local nos próximos dias.

Realidade do Sertão

Morador de Casa Nova e representante da base de Junco, Reginaldo da Costa presencia as dificuldades enfrentadas na região. Segundo ele, a cidade já ficou conhecida como Terra do Ouro Branco pela alta produção de mandioca. Agora, há poucas casas que produzem o alimento.

“Na época de ouro, eram cerca de 60 a 70 casas. Hoje, devem ter umas quatro. Praticamente todas as famílias cultivavam mandioca e viviam da colheita deste produto. A terra daqui era muito fértil, mas a falta de água fez com que as casas fechassem. Chegamos a ficar oito anos sem chuva. Quem tinha plantação, perdeu sua fonte de renda. Algumas famílias sobrevivem de criações de cabras e ovelhas, outras dependem de programas sociais”, conta Reginaldo.

Além da dificuldade no acesso à água, Junco ainda passa por outras problemas pela falta de energia elétrica e no acesso a serviços de saúde. “A energia existente é por meio de placas solares, então comporta apenas as lâmpadas. Não há acesso a equipamentos eletrodomésticos, como liquidificador e geladeira, por exemplo. Também não há postos de saúde. Os sertanejos são atendidos apenas quando a unidade móvel do IAV passa pela região ou quando se deslocam para o Centro de Casa Nova, que fica a 45 quilômetros”, completa.

Conheça o Instituto Água Viva!

Achamos que outros conteúdos de nosso Blog também podem te interessar. Veja algumas sugestões:

Por que chove tão pouco no Sertão?

Horta Comunitária em Marruá: geração de renda para famílias sertanejas

IAV e Enactus: parceria para transformação do Sertão

Para conhecer mais sobre nossos projetos sociais, clique aqui!

1

Horta Comunitária em Marruá: geração de renda para famílias sertanejas

A comunidade de Marruá, localizada no município de Juazeiro, na Bahia, é um dos lugares que recebe ações do Instituto Água Viva, por meio de nossos projetos sociais. Para mudar a vida das famílias sertanejas, mais um foi implantado: uma horta comunitária que, além de alimentar, impacta a renda dos moradores de Marruá. Quer saber mais sobre o projeto? Continue lendo!

Plantio transforma vidas no Sertão

Com o intuito de transformar a vida dos moradores de Marruá, na Bahia, a horta comunitária já abrange mais de 20 famílias. O coordenador do projeto, Thiago Neves, conta que o projeto foi implantado há dois anos e meio em um terreno do Instituto Água Viva e reformulado nos últimos seis meses.

“No início, o espaço funcionava apenas com a colaboração dos sertanejos. Agora, ele foi subdividido e distribuído entre as famílias, então cada uma tem um espaço próprio, onde planta, cuida, consome e vende os produtos. Ou seja, além de se alimentar dos produtos, a horta comunitária é um instrumento de geração de renda que transforma a vida das famílias sertanejas. Ao todo, cerca de 120 pessoas participam diretamente do projeto”, completa Neves.

Além do local para o plantio, o espaço conta com profissionais do IAV que auxiliam os sertanejos com informações e preparo.

Geração de Renda

O projeto de Geração de Renda gera oportunidades de emprego e empreendedorismo social em várias localidades do Sertão. Famílias que não haviam perspectiva de futuro, hoje, podem acreditar em um amanhã muito mais promissor por meio de fábricas de camisas, bonés, brinquedos e instrumentos musicais. Saiba como apadrinhar um de nossos projetos e colaborar para que o IAV continue atuando no Sertão!

1

Educação complementar: conheça o projeto do IAV e apoie esta causa

Apesar de estarmos em pleno século XXI, com inúmeras inovações tecnológicas, o Brasil ainda apresenta um número elevado de pessoas que têm pouco ou nenhum acesso à educação. Segundo uma pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o nordeste concentra 52,7% do total de analfabetos do País.

Pensando nisso, o Instituto Água Viva atua com projetos sociais educacionais para transformar vidas, ajudando crianças e jovens do Sertão nordestino a compreenderem o mundo. Isso porque, além de sofrerem com a escassez de oportunidade, estão a mercê de problemas como drogas e violência. Continue acompanhando o post e conheça melhor nosso projeto de Educação Complementar!

Conheça o projeto!

Visando um futuro melhor para as crianças do Sertão, voluntários se unem e dedicam parte de suas vidas trabalhando para desenvolver a educação na vida de cada uma delas. As atividades complementares IAV acontecem no período de contraturno escolar e vão desde balé, alfabetização, inglês, reforço escolar até aulas de música. E o principal: os sertanejos aprendem sobre valores universais que são fundamentais para formação do caráter humano. O objetivo é cuidar de uma juventude promissora, que precisa de carinho e cuidado especiais.

Seja uma gota viva!

O seu apoio é essencial para que o projeto continue ajudando e mudando a vida dos sertanejos. Para nos apadrinhar ou realizar uma doação, clique aqui. Colabore também!


4

Campanha IAV une dentistas e pacientes pelo Sertão!

Solidariedade que gera sorrisos! Esse é o objetivo principal da campanha de saúde do Instituto Água Viva (IAV), que busca profissionais da odontologia que queiram ser uma gota viva no Sertão! Você já sentiu vontade de participar de algum projeto social, mas não pôde ir até ao local? Aqui, o intuito é justamente ajudar sem precisar sair do próprio consultório. Continue lendo, saiba mais sobre o projeto e seja uma esperança para o povo sertanejo!

Conheça a ação!

O IAV mantém duas vans que servem como consultórios médicos-odontológicos no Sertão. Ambas atendem mais de 400 comunidades rurais de extrema pobreza, além de darem suporte a outros projetos sociais, que não disponibilizam de um carro médico. Contudo, os custos são bem altos. Além do combustível e manutenção do veículo, os remédios e aparelhos de uso constantes geram a maior despesa. Portanto, a arrecadação do dinheiro é necessária não apenas para manter o projeto, como para ampliá-lo.

A nova campanha do IAV funciona assim: cada profissional odontológico doa 10 limpezas dentárias simples, no valor único de 50,00. O paciente que aderir a campanha pega o bônus (voucher) no consultório e faz o pagamento diretamente na conta bancária do Instituto Água Viva. Neste momento, pacientes e dentistas atuam juntos em prol do Sertão!

A importância da campanha

Dentistas de todo o Brasil têm a oportunidade de se voluntariar em prol da causa do Sertão nordestino, arrecadando fundos para a compra de material de saúde.  Por ano, cerca de 15 mil pessoas têm a oportunidade de receber algum tratamento médico e odontológico, coisa que muitos, nunca sequer tiveram acesso.  

Como participar?

Se você é dentista e ficou interessado em participar, é muito simples: entre em contato pelo número: (27) 99762-9920, ou envie um e-mail para captacao@institutoaguaviva.org.br. Assim, você receberá 10 bônus personalizados para disponibilizar no seu consultório, além de 10 recibos sociais pela participação.

Conheça mais sobre os projetos sociais do Instituto Água Viva no Sertão, clicando aqui!

Hidroponia: saiba o que é e conheça o projeto do IAV
5

Hidroponia: saiba o que é e conheça o projeto do IAV

A Hidroponia é a técnica de cultivar plantas sem solo, onde as raízes recebem uma solução nutritiva balanceada que contém água e todos os nutrientes essenciais ao desenvolvimento da planta. Na hidroponia, as raízes podem estar suspensas em meio liquido ou apoiadas em substrato inerte (areia lavada, por exemplo). Basicamente, para um conjunto hidropônico é necessário uma estrutura para sustentação da planta, um reservatório para solução nutritiva, um meio de contato entre as raízes e a solução nutritiva.

A hidroponia deve preferencialmente ser conduzida em um ambiente protegido como uma estufa, quando se tem interesse comercial e de produção em grande escala. Mas, também, é possível ter uma pequena horta hidropônica no quintal da sua casa devido a simplicidade da estrutura necessária para um pequeno cultivo hidropônico.

Entre as vantagens da técnica está a economia de tempo e de mão-de-obra; a possibilidade de programar melhor a produção; a oferta constante de produtos; a não necessidade das operações de preparo do solo para o plantio; o melhor aproveitamento dos fertilizantes; a não utilização de máquinas e implementos agrícolas e o trabalho mais leve, em comparação com o cultivo em solo.

Conheça o projeto de Hidroponia do IAV!

Instalamos na Comunidade Chapada do Avelar, área rural do município de Casa Nova/BA, um projeto de produção de alface hidropônica em duas estufas, sendo uma metálica, comprada de uma empresa de São Paulo, e outra de madeira, construída por nós mesmos.

Na estufa metálica, as bancadas são de perfis metálicos. Já na estufa de madeira, as bancadas foram feitas de tubos de PVC.

Conheça o projeto de Hidroponia do IAV

Sistema de Cultivo

O sistema de produção utilizado nas duas estufas é o Fluxo Laminar de Nutrientes – NFT (Nutrient Film Technique). Nesse sistema, as plantas são colocadas em orifícios feitos ao longo do perfil ou tubo de PVC, de modo que somente as raízes se estendam para dentro do perfil/cano. Dentro desses, flui constantemente um filme fino de solução nutritiva, entrando em contato com as raízes. Esses perfis/canos, são dispostos com uma pequena declividade, facilitando o escoamento da solução nutritiva que entra pela parte mais alta e escoa por meio das raízes até a parte mais baixa e retorna ao reservatório da solução. Para posterior bombeamento e recirculação no sistema.

Sistema de Cultivo

Sistema NFT de Hidroponia (Fonte: tudohidroponia.net)

Solução nutritiva para alface em hidroponia

Existem várias receitas de soluções nutritivas para cultivo de alface que podem ser compradas prontas. O produtor pode optar por preparar sua própria solução com base em uma fórmula padrão. A solução nutritiva que utilizamos é adquirida pronta.

A solução nutritiva requer acompanhamento constante do produtor, pois ela é fundamental para o pleno desenvolvimento dos vegetais. A temperatura da solução nutritiva deve permanecer entre 18 e 24°C. Fora dessa faixa a planta tem dificuldades em absorver os nutrientes.

O controle do pH da solução é igualmente importante para produção de alface. Um kit de teste deve ser usado para verificar o pH da solução diariamente. Recomenda-se a manutenção do pH em uma faixa ligeiramente ácida em 5,8 a 6,4. Se o pH estiver muito alcalino, deve-se adicionar um ácido fraco na solução para baixar o pH. Se estiver muito baixo (ácido), deve-se adicionar a solução uma base fraca, como o hidróxido de potássio, para corrigir o pH.

A concentração dos nutrientes deve ser constantemente monitorada, pois a medida que a planta se desenvolve ela retira água e nutrientes da solução. Para o monitoramento da concentração de nutrientes é utilizado um aparelho chamado condutivímetro. Sendo que a leitura ideal está na faixa de 1,5 a 3,5 miliSiemens/cm, que corresponde a 1.000 à 1.500 ppm de concentração total de íons (nutrientes) na solução.

Condições do ambiente para produção hidropônica

Para o cultivo de alface em hidroponia, devem ser observadas algumas condições do ambiente para que o desenvolvimento da cultura seja pleno:

  • Umidade relativa do ar – no ambiente de cultivo deve permanecer em torno de 70%. A alta umidade do ar pode promover o aparecimento de sintomas de deficiência de nutrientes, mesmo tendo nutrientes em abundância na solução nutritiva. Isso ocorre, pois em alta umidade no ambiente há pouca transpiração e com isso pouca translocação de água e nutrientes até as partes mais novas das folhas. Além disso, a alta umidade relativa do ar pode aumentar a incidência de doenças nas plantas.
  • luminosidade – a luminosidade adequada é essencial para o crescimento e a produção das plantas. O manejo da luminosidade é feito a partir da seleção do local de instalação da estufa. Isto não é problema no nordeste, pois numero de horas de sol por dia é elevado.
  • Temperatura – é um fator muito importante, pois tanto em condições de altas ou baixas temperaturas as plantas podem cessar seu crescimento. Além disso, podem apresentar distúrbios fisiológicos que depreciam o valor do produto.
  • Condutividade elétrica – é muito importante que o produtor hidropônico tenha conhecimento da qualidade química e biológica da água que é ou será utilizada no cultivo. O ideal para o cultivo hidropônico é que a água tenha condutividade elétrica inferior a 0,50 mS/cm.
  • Solução nutritiva – a composição da solução nutritiva, de modo a fornecer às plantas todos os nutrientes essenciais, na quantidade certa, é o ponto-chave da hidroponia. Atualmente, são encontradas no mercado brasileiro misturas de sais (fertilizantes) já elaborados para o uso na hidroponia, contendo todos os nutrientes essenciais.
  • Temperatura da solução – deve ser mantida em torno de 25°C. Baixas temperaturas da solução nutritiva impedem a absorção de água e nutrientes, podendo causar murchamento e clorose. Por outro lado, altas temperaturas também causam danos. Níveis acima de 38°C prejudicam o desenvolvimento das plantas. O aumento da temperatura faz baixar o nivel do oxigênio na solução. Este foi um dos problemas que tivemos no nosso projeto. Neste ano a temperatura ficou mais elevada que os anteriores, elevando a temperatura da solução e causando a perda de toda uma safra. Uma forma de corrigir/minimizar esse problema é aumentando a declividade da bancada e, também, aumentando o nível de oxigênio na solução nutritiva. Para isto, deve-se colocar um aerador ou um tubo fino com um corte em bisel na ponta que ficará dentro da tubulação de recalque.

Tanto a umidade quanto a temperatura ambiente podem, também, ser corrigidas com a instalação de exaustores ou ventiladores nas estufas de cultivo.

No entanto, a fim de se garantir o sucesso do empreendimento, evitando-se perda de dinheiro e desperdícios, outras precauções devem ser consideradas. Somente assim, se poderá garantir a estabilidade e permanência do negócio no mercado. Vejamos:

  1. Variedade – embora existam algumas variedades de alface no comércio, nem todas elas são indicadas para a região nordeste. No nosso caso, temos usado a variedade Robusta e a Mediterrânea.
  1. Semente – de boa qualidade e em embalagens com bom isolamento.
  1. Espuma fenólica (germinação e enraizamento) – com grande capacidade de sustentação da muda, baixo nível de desintegração no manuseio, excelente aeração, alta capacidade hidroscópica (retenção de umidade) e não interfir na nutrição.
  1. Água – não necessariamente pura, porém, potável.
  1. Energia – é fundamental, não pode faltar e tem que ser estável. Perdemos toda uma safra porque ficamos sem energia por um período de três horas, com isto faltou nutriente, água e oxigênio para as raízes, levando as plantas a morrerem.

Sistema Hidropônico com tubos de PVC

Esse sistema consiste em linhas de cultivo feitas com tubos de PVC, treliças de sustentação feitas também com tubos de PVC, tanques (três caixas d’água de polietileno de 500 litros) para solução nutritiva e bombas.

Os tanques foram posicionados em um fosso abaixo das linhas de cultivo e as bombas dentro dos tanques para levar os nutrientes até as plantas por meio de um coletor de tubos de PVC menores. O coletor fica no topo dos tubos e envia água pressurizada aos tubos de cultivo. No tubo de PVC para cultivo, foram feitos furos onde são cultivadas as plantas. Dessa maneira, a solução nutritiva escoa pelos tubos e entra em contato com as raízes das plantas fornecendo assim os nutrientes necessários.

Referências:

dos Santos JD, Lopes da Silva AL, da Luz-Costa J, Scheidt GN, Novak AC, Sydney EB, Soccol CR (2013). «Development of a vinasse nutritive solution for hydroponics». Journal of Environmental Management. 114: 8-12. doi:doi:10.1016/j.jenvman.2012.10.045 Verifique |doi= (ajuda)

Wikipédia, a enciclopédia livre.

tudohidroponia.com.br

2

IAV e Enactus: parceria para transformação do Sertão

Transformar o Sertão é uma das missões do Instituto Água Viva. Para isso, apostamos em projetos de desenvolvimento social, econômico e educacional, que já impactaram a vida de mais de 10 mil pessoas. Com o intuito de ampliar esses índices, firmamos uma parceria com a Enactus, uma organização estudantil que fomenta o empreendedorismo social. Entenda mais sobre essa parceria!

Geração de renda: oportunidades para os sertanejos

Um dos pilares do IAV é a geração de renda, que estimula o empreendedorismo no Sertão ao capacitar e gerar oportunidades para os sertanejos. É por meio dessa ferramenta que muitos sertanejos melhoram sua condição de vida e são resgatados de situações de risco. A parceria entre o Instituto Água Viva e a Enactus visa viabilizar estudos para melhor realização dos projetos.

“Essa é uma importante parceria para o Sertão. Realizamos estudos de viabilidade financeira e de mercado que ajudam a desenvolver os projetos da melhor forma. Os estudos já foram feitos na Fábrica de Chinelos, em Marruá, e será realizado na Fábrica de Doces, em Casa Nova, ambos na Bahia”, explica Renato Assis Carvalho – responsável pelos projetos de geração de renda do IAV.

O conselheiro da Enactus Univasf, Aluísio Sampaio Neto, conta que a parceria já gerou bons frutos para o Sertão. “Atuamos com capacitações empreendedoras, prospecção de mercado e melhoria de negócios. Além das fábricas do IAV, começamos a implantar o Sistema Integrado de Produção de Alimentos (Sisteminha Embrapa), que contempla o cultivo de frutas e hortaliças, e criação de animais, como galinhas, abelhas, suínos, porquinho da índia, peixes e cabra leiteira, para o consumo ou geração de renda da família. Já iniciados na comunidade de Marruá, na Bahia, com um criatório de peixes”, completa.

Criatório de peixes na comunidade de Marruá (BA)

Veja mais fotos dessa parceria:

Como ajudar?

Há várias formas de ajudar o Instituto Água Viva a levar mais oportunidades para o Sertão: conheça nossos projetos e apadrinhe um deles! Assim, você irá se tornar uma gota viva e mudará a realidade de inúmeras famílias sertanejas. Contamos com você!

2

IAV em Miguel Calmon: novas oportunidades para os sertanejos

A região de Miguel Calmon, na Bahia, é uma das localidades que recebe ações do Instituto Água Viva. O intuito é mudar a vida do povo sertanejo, por meio dos projetos sociais, e levar esperança para várias famílias que sofrem com a seca do Sertão e a falta de perspectiva de vida. Em 2019, essa região recebeu um reforço importante: agora, mais de 70 crianças e jovens têm acesso a escolinhas que têm transformado a vida dos moradores de Miguel Calmon. Confira!

Novas oportunidades

Desde fevereiro deste ano, crianças e jovens de 6 a 19 anos participam de escolinhas de balé, informática, inglês, literatura e acordeon. As aulas acontecem nas terças, quintas e sextas, nos turnos da manhã e da tarde. Além disso, os alunos também contam com escolinhas de esportes e de violão, que já aconteciam na cidade.

“Esses projetos são muito importantes para a região, pois aqui temos um índice enorme de crianças sem um norte, sem perspectiva de vida. Para eles, era algo muito distante, por conta das dificuldades financeiras e de locomoção, então esses cursos são a realização de um sonho para muitas crianças e jovens”, conta a professora de literatura e uma das responsáveis pelo projeto, Geralda de Brito Silva.

Confira algumas fotos dos projetos sociais em Miguel Calmon (BA):

Para conhecer mais sobre os projetos sociais do Instituto Água Viva no Sertão, clique aqui! Saiba como ajudar o IAV a impactar e transformar a vida de milhares de sertanejos!