Empreendedorismo X Social


Fazer com que os filhos comecem a produzir com mérito a própria fonte de renda e com isso ensiná-los a ter uma consciência colaborativa e participar na transformação da vida de outras pessoas foi o que motivou dois irmãos empresários, Tiago Brito Ferreira e Izabella Ferreira Esper, a ensinarem as filhas a empreenderem. Assim nasceu, há quase dois meses, a Mai. Azeites Saborizados.

As jovens empresárias Isadora Stefani Ferreira (17 anos) e Yasmin Stefani Ferreira (13 anos), filhas de Tiago, e Emanuela Ferreira Esper (13 anos), filha de Izabella, são responsáveis pela empresa e participaram de todos os processos de criação, sob a orientação dos pais. A Mai. Azeites vende, via online, 15 tipos de azeites importados da Espanha, com controle de procedência e a saborização feita em Minas Gerais. Trufa negra, mostarda e mel, pesto, defumado e cardamomo com canela são alguns dos sabores. “É uma experiência gastronômica diferenciada”, explica Tiago.

Todas participaram desde a criação da logomarca e ajudam no processo de embalagens, vendas, negociação e na logística para o envio das encomendas feitas. A divulgação

Izabella e a filha Emanuela; Isadora e Yasmin com o pai Tiago abriram a Mai. Azeites
Izabella e a filha Emanuela; Isadora e Yasmin com o pai Tiago

o fica por conta da Isadora que, por enquanto, é feita pelo Instagram. O desafio é grande, mas as jovens estão firmes no propósito de empreender. Isadora está prestes a fazer o vestibular, mas explica que procura dividir o tempo para não comprometer nenhuma área. De acordo com Yasmin, ser uma empresária tão jovem é um grande passo. Para ela, a rotina mudou muito. “O tempo para escola ficou corrido e preciso manter o foco para conseguir estudar e trabalhar”, disse.


Planejamento

Os pais estão ensinando sobre planejamento estratégico e tributação para que tenham noção real do mundo empresarial. A expectativa é que a Mai. Azeites renda de R$ 30 mil a R$ 50 mil neste fim de ano, por conta dos brindes que as empresas oferecem aos clientes e colaboradores. Posteriormente, estima-se que a renda fique entre R$ 15 mil a R$ 20 mil, numa curva ascendente, com vendas voltadas para o consumidor individual.


O Social como parte do sucesso.

Para Emanuela, empreender não é fácil, mas ela diz que começou a perceber o valor das coisas. Outro ponto difícil, acrescenta, é dividir o tempo entre a escola e o trabalho. “Ambos requerem tempo e dedicação. Mas vale a pena porque pretendo alcançar alguns objetivos pessoais e acompanhar a transformação de vida de algumas pessoas menos favorecidas.”

Isso porque 10% do rendimento da empresa será revertido para um projeto que atende quase quatro mil crianças do Instituto Água Viva, que atua em 22 cidades situadas no sertão nordestino. Izabella explica que a juventude atual é imediatista e eles querem que as filhas saibam qualificar, quantificar o valor do dinheiro e sejam inspiração para promover a outras pessoas que necessitam de ajuda. Durante as férias, elas irão acompanhar essa transformação de perto. “Não queremos só ser abençoados, mas abençoadores também”, afirma.

Para Tiago, o desafio é ensinar essa geração a empreender e perceber que não é fácil ter o próprio negócio. Que para aprender é preciso esforço e disciplina para alcançar o sucesso. “Elas têm que saber que não basta realizar um sonho, mas ser um canal transformador para a vida de outras pessoas. A Mai. Azeites Saborizados é um projeto que nasce pequeno nas mãos de jovens meninas, mas que tem um propósito gigante”, afirma.

Fonte: https://www.empreenderemgoias.com.br/2020/12/01/jovens-mostram-que-nao-ha-idade-para-empreender/