Bailarinas no Fendafor


Um grupo de 22 alunas da cidade de Acauã, no Piauí, saiu vitorioso em nove categorias no Festival Internacional de Dança de Fortaleza (Fendafor), realizado no Theatro José de Alencar, no centro da capital do Ceará. Elas sonharam alto, estudaram muito e colheram os frutos de tanta dedicação.




Estas meninas são bailarinas do projeto que faz parte do pilar de Educação Complementar do Instituto Água Viva, uma organização social sem fins lucrativos criada em 2015 atuante no Sertão do nordeste, sobretudo nos estados da Bahia, Piauí, Pernambuco e Paraíba.

As jovens bailarinas competiram em 15 categorias e voltaram para casa com nove prêmios: primeiro lugar em Trio Livre Pré e Conjunto Livre Juvenil; segundo lugar nas categorias Duo Livre Pré, Duo Livre Juvenil, Trio Livre Infantil, Trio Livre Juvenil, Trio Jazz Juvenil e Conjunto Dança Contemporânea Juvenil; e terceiro lugar em Solo Livre Pré.

Os bons resultados premiaram o grande esforço das bailarinas, que enfrentaram muitos desafios para conseguir participar do festival. Foram semanas de uma rotina com vários ensaios, contusões, apreensão e uma viagem de 12 horas até chegar ao local do evento. Para elas, foi muito divertido e gratificante receber notas maravilhosas dos jurados e tantas premiações.


Aos 13 anos, Anna Victória foi uma das bailarinas participantes. Apesar da pouca idade, ela já é uma veterana no balé do Instituto Água Viva. Foi por meio do projeto que Anna Victória foi incentivada a sonhar alto. Ainda muito cedo, ela participou do processo seletivo do Bolshoi, uma das maiores companhias de balé do mundo e não quer parar por aí: além do futuro como bailarina, Anna quer cursar psicologia, para também ajudar a mudar a realidade de outras pessoas.

O Instituto Água Viva escolheu transformar e impactar a geografia de uma região pouco apoiada no Brasil e ser uma ponte para outras instituições na luta pela ressignificação e valorização do sertanejo. O trabalho está baseado em quatro pilares: Educação Complementar, Escola de Esporte, Geração de Renda e Saúde.



São atendidas mais de 12 mil crianças e adolescentes em situação de risco social agravante. No pilar de Educação Complementar, elas participam das aulas de reforço escolar, aulas de balé, música e informática. No pilar de Escola de Esportes tem aulas de futebol, vôlei e artes marciais. Já os adultos participam de projetos de Geração de Renda, como fábricas de bonés, camisas e chinelos, fábrica de violão, hidroponia, piscicultura, plantação de hortaliças. Além do Pilar de Saúde que disponibiliza vans totalmente equipadas para realizarem atendimentos médicos e odontológicos

Ao todo, mais de 30 mil pessoas são envolvidas direta e indiretamente nos projetos.